Ser voluntário faz bem para você

Eu, Clara, sempre gostei de fazer trabalho voluntário, principalmente com crianças. Para mim, cuidar e brincar com crianças é natural. Quando a gente sabe qual causa nos atinge mais, fica muito mais fácil saber onde procurar um trabalho. Acontece que não é assim com todo mundo. Tenho muitos amigos que recusaram meus convites porque não gostam ou não sabem lidar com crianças. Nesse post eu vou dar algumas indicações legais de Ongs infantis que eu conheço bem ou já trabalhei, mas se você se enquadra no perfil dos que ainda não encontraram a sua causa, a dica é: entre no portal do Atados. Lá você pode procurar por uma causa (idosos, lgbt, combate à pobreza, animais, refugiados e muitos outros) ou só escolher uma das vagas disponíveis. Se você quiser ajudar só virtualmente, também pode. Eles se autoproclamam “o jeito mais fácil de se tornar voluntário” e eu concordo. Foi lá que eu encontrei o trabalho voluntário dos meus sonhos numa crechinha.

Essa história de que fazendo um trabalho voluntário você ajuda a si mesmo é real. Falo por experiência própria. Toda sexta-feira, faça chuva ou faça sol, lá estou eu na creche. A Kabbalah (espiritualidade que eu acredito) diz que nós devemos ajudar o próximo até doer. Eu coloco isso em prática quando durmo muito pouco de quinta para sexta, mas mesmo assim às sete da manhã eu estou lá. É nesses dias que eu entendo por que ajudar até doer. Quando é um sacrifício real, quando é incômodo ajudar o próximo, o retorno para nós é maior. Nesses dias a sensação de missão cumprida é mais forte, é uma sensação de se doar mesmo. Se você está achando tudo isso um pouco abstrato ou espiritual demais, vou listar alguns motivos concretos por que acredito que fazer trabalho voluntário é bom para você:

  1. Aprender. No meu caso eu aprendo muito sobre como cuidar de crianças pequenas (depois coloco em prática com a minha sobrinha e filhos de amigos). Em outros casos você pode aprender sobre a causa que mais te pega – seja ela dos bichos, de idosos, dos refugiados, etc.
  2. Fazer currículo. Fazer o bem sempre foi, mas é cada vez mais um diferencial para recrutar colaboradores. Pode pesquisar. No LinkedIn tem uma parte só sobre os seus trabalhos voluntários. As maiores universidades do mundo, como a Harvard, consideram ter feito trabalho voluntário importante para ser aceito.
  3. Exercitar um hobby em prol do outro. Se você gosta de desenhar por exemplo, use isso para ajudar o próximo, no Atados com certeza existe algo relacionado a desenho e é assim com praticamente todos os hobbies possíveis.
  4. Amadurecer. Eu acredito que uma pessoa que põe a mão na massa em alguma causa amadurece. Acabamos olhando para a situação do próximo e aprendemos a valorizar e analisar a nossa. Isso é uma parte do amadurecimento. Aliás, está querendo que um colega seu amadureça? Recomende um trabalho voluntário e veja se não funciona.
  5. Fazer bem para a saúde. Dá uma olhada nessa matéria publicada na revista Superinteressante sobre uma pesquisa que indica que o altruísmo ajuda o sistema imunológico, entre outros benefícios.
  6. Testar coisas diferentes. No voluntariado você sai da sua zona de conforto e se coloca em lugares que normalmente não vai, com pessoas novas e experiências diferentes. Se você quer mudar de área no trabalho por exemplo, uma ideia é procurar um trabalho voluntário em que possa exercitar o que será necessário para a nova área, e você vai ganhando experiência.

Bem, se você também gosta da causa das crianças, tenho três organizações para indicar: Sonhar Acordado, Instituto Fazendo Minha História e as Obras Sociais do Mosteiro São Geraldo (que eu ajudo). O Sonhar Acordado é uma Ong que tem mais de 30 anos e faz trabalhos com crianças em situação de vulnerabilidade. Há atividades pontuais, como visitas à museus, e trabalhos contínuos. Trabalhei por muitos anos com eles e recomendo muito. O Instituto Fazendo Minha História faz um trabalho muito bonito com crianças de orfanatos. O voluntário ajuda as crianças e adolescentes a fazerem álbuns contando a sua história, como forma de mostrar que aquele indivíduo teve toda uma vida antes de ser adotado, ajuda a criar uma identidade. Esse exige mais responsabilidade, pois é necessário que se crie um vínculo entre os dois. As Obras Sociais do Mosteiro São Geraldo são mantidas pelo colégio Santo Américo. Eu trabalho na CEI Santa Escolástica, em Paraisópolis. Lá eu ajudo as professoras e cuidadoras com as crianças. Eu basicamente dou carinho, atenção, brinco e dou comida para as crianças. Toda sexta-feira fico lá por 4 horas, mas eles precisam de voluntários todos os dias em todos os horários, menos à noite.

Qual testamos?

Deixe seu depoimento

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *