Saiu no jornal Valor Econômico: a indústria da MODA polui MAIS do que navios e aviões juntos. Ela corresponde por algo entre 8 e 10% das emissões de gases estufa do mundo. É o segundo setor da economia que mais consome água, depois da agropecuária.

Essa indústria mudou demais nos últimos anos. Agora as pessoas consomem (e descartam) muito mais roupa do que há 15 anos. Algumas marcas do chamado ‘fast fashion’ produzem uma coleção nova a cada duas semanas, duas semanas! Muito mais do que as quatro estações do ano. É muito lixo sendo produzido, já que os tecidos sintéticos usados pelas marcas, como elastano e poliéster, são vagabundos e rasgam com facilidade, desbotam e estragam,  além de demorarem décadas para se decompor. Na matéria do Valor tem outro dado impressionante sobre isso: se perde cerca de US$ 500 bilhões ao ano com o descarte de roupas que vão direto para aterros e lixões e sequer podem ser recicladas.

Já ficou chocado? Nem entramos na questão de toda cadeia de trabalho por trás dos baixos preços praticados pelas marcas. Como as roupas custam muito abaixo do valor de mercado, em algum ponto da cadeia há alguém sendo mal pago. Pense em toda a logística por trás de uma roupa que chega no seu guarda-roupa. Não é possível que da estilista que idealizou a roupa até a costureira que bordou e o navio que transportou o preço possa sair tão baixo. Alguém está se dando muito mal nesse processo, certo?

Nós aqui não estamos mais consumindo marcas de fast fashion. Estamos evitando comprar roupas no geral, mas quando precisamos, recorremos aos brechós, que tem aos montes por aí.

Deixo aqui algumas dicas de brechós que testamos e gostamos: @aquelas_loja @brechonofundinho e @b.luxo – os três tem uma seleção super legal de peças vintage com uma baita curadoria.

Saiba Mais: The True Cost (tem no Netflix); Indústria da moda polui mais que navios e aviões

 

Qual testamos?

Aquelas

@brechonofundinho – Praça da República, 80 – Sala 802 – República, São Paulo – SP

Brechó B. Luxo – @b.luxo – R Augusta 2566 – Jardins

Deixe seu depoimento

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *