Nós três estamos cada vez mais empenhadas a nos livrar de tudo quanto é química e embalagem. Estamos aos poucos aprendendo a fazer nossos próprios cosméticos – como mostramos aqui, para limpar a casa estamos compramos produtos de limpeza naturais ou  fazendo nossos próprios com por exemplo vinagre de maçã. Estamos diminuindo também a quantidade de maquiagem e esmalte que usamos (a Mari e a Carol raramente usam, eu ainda gosto porque às vezes rôo unha).

Essa movimentação que fazemos em busca de uma vida mais natureba tem nos ensinado muito. Eu estou aprendendo mais e mais a gostar de mim como eu sou, do meu cabelo sem tintura, meu rosto com pouca maquiagem e por aí vai. Tem sido muito libertador não me sentir uma vítima da moda: do batom, da maquiagem, do tipo de cabelo. É muito mais leve, fácil e barato se aceitar como é.

Nessa onda, o shampoo em barra veio super a calhar! A maioria é feito de ingredientes naturais (e muitas vezes orgânicos) e normalmente vem numa embalagem de papel ou alumínio (que dá pra reutilizar) então quando acaba ele não deixa rastros, é #lixozero. Dá para usar de sabonete também, eu gosto de chamar de shampoonete. Nós três amamos. É um produto que vem se popularizando e hoje existem várias marcas (ou pessoas produzindo), está ficando um pouco mais simples de achar, basta dar um google.

Vale contar que é necessário fazer uma limpeza no cabelo para tirar toda química. Um vidro comum de shampoo leva tantos químicos, tipo silicone, e a gente usou a vida toda que com certeza nosso cabelo está empestado deles, como plástico, silicone e química. Pesquisei o rótulo de um shampoo popular, dos mais vendidos em farmácia, e veja o que tem:

Aqua, Sodium Lauryl Sulfate, Sodium Laureth Sulfate, Cocamidopropyl Betaine, Glycol Distearate, Dimethicone, Sodium Citrate, Cocamide Mea, Sodium Xylenesulfonate, Parfum, Citric Acid, Sodium Benzoate, Sodium Chloride, Guar Hydroxypropyltrimonium Chloride, Tetrasodium EDTA, Trisodium Ethylenediamine …

Olhando a lista de ingredientes nocivos da Cristal Muniz (que nos ensinou a ler rótulos) vimos que tem muita coisa nociva. Nem quis deixar a lista toda para não deprimir ninguém. O fato é que é muita química e o ideal é fazer uma limpeza no cabelo, tipo detox, durante um período de pelo menos 15 dias. Existem vários tipos de limpeza, no youtube eu encontrei um monte. Nesse período eu recomendo usar ele preso, porque algumas vezes fica ensebado, crespo ou com cara de sujo. É um processo, né. Depois que a química sai, ele começa a se mostrar e essa é a parte legal porque dá pra se conhecer mesmo, ver como é o seu cabelo naturalzão.

Porém eu tenho uma notícia muito boa para quem não tá afim de esperar esse tempo e nem fazer limpeza! O shampoo em barra do Natural do Barbosa é tão legal que mesmo sem ter feito nenhuma limpeza o cabelo fica lindo e funciona muito bem! As três testaram e amam. Eu só uso essa marca e quando vou viajar pra fora compro da Lush também (que tem questões, mas comparado com os convencionais é bem melhor). O que estou usando é de alecrim dourado. Detalhe: abandonamos pra sempre o condicionador! Para que ele serve mesmo? (Reaprendemos a pentear o cabelo com calma, ao invés de colocar um condicionador, que é mais um monte de química).

Ah, a Mari usa também o shampoo da Lá do Mato e recomenda bastante.

Saiba mais:

Xampu em barra: marcas naturebas que deixam seus cabelos lindos

Ingredientes tóxicos mais comuns em cosméticos para evitar

 

Qual testamos?

Deixe seu depoimento

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *